APADF    


VOCÊ SABIA?



CASTRAÇÃO É URGENTE!!!

Antes de começar a falar sobre a castração, vamos falar sobre uma outra coisa: a vontade que as pessoas tem de ver os seus animais criando pelo menos uma vez. É muito comum a gente ouvir pessoas dizendo que vão esperar a primeira cria pra só depois disso castrar o seu animal. Até aí parece estar tudo bem, mas não é bem assim. A realidade hoje é de uma superpopulação de gatos e cachorros - grande parte deles nas ruas. Ou seja: não há lares para todos. Mas o que é que você tem a ver com isso? Você ama e cuida do seu animal, certo? Mas quando você o procria, vai doar pra pessoas que talvez não cuidem tão bem. E, se cuidarem, pode ser que elas também resolvam deixar seus animais terem uma cria (pensando positivamente) e assim consecutivamente. O resultado disso? Um monte de novos animais gerados pelo seu animal dos quais você não tem o controle para saber se estão bem ou não. Pense no tanto de animais que você vê pela rua... Muitos deles - se não a maioria - são resultado da irresponsabilidade de seus donos.

Posse responsável tem tudo a ver com castração! Além de ser ótimo para a saúde do seu animal (assunto para o próximo post!), a castração é um ato de amor pelo seu bichinho e também pelos outros animais, já que é a medida perfeita para evitar o nascimento de novos filhotes, que podem acabar na rua, maltratados, correndo riscos de morte.
Ainda continua com dó de castrar seu animal? Pense nos 5 milhões de animais abandonados do nosso País. Esse número existe porque muitas pessoas tiveram essa mesma pena antes.

Então se você está pensando em deixar seu pet procriar, pense melhor... Isso é muito mais uma vaidade sua do que uma necessidade do seu animal. Castre. Cuide. Ame.
Por http://gruposetevidas.blogspot.com.br/2012/07/importancia-da-castracao-parte-i.html

NÃO CASTRAR É O BARATO QUE PODE SAIR MUITO CARO PARA QUALQUER VIDA
Gabriele Mingorance – Especialista em Direito Tributário (Faculdade de Direito São Bernardo) e fundadora da União de Proteção Animal do Grande ABC – www.facebook.com/protecaoanimalabc -

Desmitificando: veja 8 benefícios da castração
Existem muitos mitos sobre a castração de animais de estimação. Uma das crenças mais comuns é que fêmeas devem ter ao menos uma ninhada antes de serem castradas, para que sejam saudáveis e felizes. Já no caso dos machos, crê-se que a castração torna o animal triste e frustrado, pois não conseguiria mais cruzar. Todas as afirmações acima são falsas, tanto para cães quanto para gatos.

Os cães não precisam cruzar ou ter filhotes antes de ser castrados para sentir-se satisfeitos ou completos. Em outras palavras, sua saúde física e mental não será comprometida se eles não tiverem contato sexual ou filhotes. Esses são valores humanos. A realidade é que os cães agem por instinto e estão mais sujeitos à frustração se não forem castrados. Já imaginou quantas fêmeas entraram no cio, nos últimos anos, em seu prédio ou na sua rua? Esses possíveis “parceiros” são percebidos à distância pelos animais, mas não pelos humanos. Isso significa que o seu cachorro instintivamente vai querer cruzar, às vezes durante dias seguidos, sem nunca conseguir. Isso, sim, pode gerar frustração e representar um estresse constante na vida do seu cão ou gato. A castração traz ainda uma série de benefícios para os nossos animais de estimação e para a sociedade. Por exemplo, tente se lembrar: existem muitos cães de rua onde você mora?
Castrar o seu cachorro é um ato de responsabilidade, pois você está não apenas prevenindo possíveis doenças (veja abaixo), como também contribuindo para reduzir a quantidade de ninhadas indesejadas. Esses filhotes frequentemente acabam abandonados ou em situação de maus-tratos.

Benefícios para o animal
Além do que destacamos acima, conheça 8 bons motivos para castrar seu cão ou gato:

  • Em fêmeas, o procedimento diminui o risco de câncer de mama. E quanto mais cedo, melhor: 99% das cadelas castradas antes do primeiro cio não desenvolvem a doença. Já em gatas, a castração reduz as chances de câncer de mama entre 40% a 60%.
  • Em machos, a castração reduz a frustração sexual e a necessidade de sair em busca de “namoradas”. Ao mesmo tempo, isso diminui o risco de fugas, atropelamentos e brigas com outros machos.
  • As fêmeas não ficam mais vulneráveis a infecções uterinas graves, como a piometra, uma vez que o seu aparelho reprodutor é removido durante o procedimento.
  • Já em machos, reduz-se em grande escala os problemas de próstata e evita-se o câncer de testículo, que pode ser fatal.
  • As fêmeas não entram mais no cio, poupando os tutores de lidar com o sangramento e com possíveis cães de rua importunando no portão.
  • Cães e gatos machos sentem menos necessidade de marcar o seu território com urina.
  • Seu animal de estimação também pode ficar mais dócil, facilitando a interação e reduzindo situações problemáticas – especialmente entre os que tinham comportamento agressivo antes.
  • Uma vez que seu cão está castrado, consulte seu veterinário sobre a quantidade de comida que você deve oferecer. Em geral, os animais castrados consomem menos calorias. Ressaltamos ainda que a castração em si não faz os animais engordarem. O que acontece em alguns casos é a redução de atividade física (o animal fica mais calmo), o que o leva a ganhar peso. Basta ficar de olho e não deixar de exercitá-lo.

Se tiver alguma dúvida sobre a castração, recomendamos que fale com o seu médico veterinário. Ele poderá te aconselhar sobre o melhor período para realizar o procedimento e cuidar das necessidades específicas do seu cão ou gato. Castrar seu animal é um ato de amor. Que tal reconsiderar?



INOCENTES NUNCA TÊM CULPA DE SEUS ATOS - ABANDONO DE ANIMAL É CRIME

Todo crime precisa de punição e não justificativa! DENUNCIE PARA 197!


Quais atitudes podem ser consideradas maus-tratos aos animais?

Além da violência contra os animais, existem outras ações que podem ser classificadas como maus-tratos. São elas:

  • Abandono;
  • Agressões físicas, como: espancamento, mutilação, envenenamento;
  • Manter o animal preso a correntes ou cordas;
  • Manter o animal em locais não-arejados – sem ventilação ou entrada de luz;
  • Manter o animal trancado em locais pequenos e sem o menor cuidado com a higiene;
  • Manter o animal desprotegido contra o sol, chuva ou frio;
  • Não alimentar o animal de forma adequada e diáriamente;
  • Não levar o animal doente ou ferido a um veterinário;
  • Submeter o animal a tarefas exaustivas ou além de suas forças;
  • Utilizar animais em espetáculos que possam submetê-los a pânico ou estresse;
  • Capturar animais silvestres.

Como ter certeza de que se trata de um dos casos acima?
Antes de qualquer coisa, conheça as leis que amparam os animais em casos de crueldade e abandono. Depois, certifique-se de que o problema se trata de um caso de maus-tratos.

     - Lei Federal Nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, a “Lei dos Crimes Ambientais“.

     - Decreto Lei Nº 24.645, de 10 de julho de 1934, define maus-tratos aos animais.

Busque evidências e testemunhos que comprovem suas suspeitas. Se possível, tente conversar com o acusado de agressão, deixando claro que os animais são protegidos por leis.

Fotografe ou filme os animais que sofrem maus-tratos. Provas e documentos são fundamentais para combater e comprovar.

Consiga o maior número de informações possível para identificar o agressor. É importante saber o nome completo, a profissão, o endereço residencial ou do trabalho.

Em caso de abandono ou atropelamento, anote a placa do carro para levantar a identificação no Detran.

Não tenha medo de denunciar. Você será considerado somente uma testemunha do caso.



Quem Somos | Adoção é Coisa Séria | Porque se Associar | Você Sabia? | Antes e Depois | Eventos de Adoção | SOS Animal | Serviços solidários | Projetos e/ou Patrocinadores | Contato